sign on form

Stay up to date

Sign up now for all our news
in one monthly digest

Eletronorte tenta cooptar índios do Pará com presentes

Na Folha de S.Paulo de ontem, em matéria assinada pelo correspondente em Belém, João Carlos Magalhães
Main
Dodgy deals
By Movimento Xingu Vivo para Sempre | , Sep 6 2010

A Eletronorte vem tentando cooptar com presentes grupos indígenas da Amazônia para que eles apoiem a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte.

A tentativa foi relatada à Folha por um dos envolvidos nas negociações com os índios, sob a condição de não se identificar. Ela também foi denunciada por ONGs e pelos índios ao menos desde 2007 ao Ministério Público Federal, que nunca conseguiu comprová-la.

A Eletronorte nega "categoricamente" dar presentes para cooptar índios. A Funai disse que desconhece o caso.

A resistência dos indígenas à obra representa um dos maiores entraves para que a usina, leiloada em abril deste ano, possa de fato ser erguida, no rio Xingu, oeste do Pará. Mas se intensificou e explicitou neste ano.

A suposta tática focou principalmente os xicrins da região de Bacajá, um dos povos indiretamente atingidos pelas obras, e que têm ascendência sobre outras etnias. Líderes xicrins têm recebido cestas básicas, aluguel de barcos, motores e até casas alugadas em Altamira (PA), segundo relato à Folha. Estima-se que os presentes tenham custado R$ 400 mil.

Antes críticos de Belo Monte, eles disseram que mudaram de opinião e que agora querem a hidrelétrica. O anúncio foi feito no início de junho, durante um encontro indígena em Altamira.

Relatório feito pela ONG Coiab (Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira) dois dias após o final do encontro diz que alguns índios "alegaram estar a favor de Belo Monte devido às ameaças... realizadas por parte do governo, de retirar a assistência da Funai e de saúde".

Desde o encontro, a cisão entre os indígenas aumentou. Antes unidos contra a usina, hoje há ao menos seis líderes que apoiam o projeto.

A pressão também é feita sobre os índios juruna. Marcos Apurinã, coordenador-geral da Coiab, disse que visitou uma comunidade da etnia e disse ter ouvido do líder Manoel Juruna que ele não sabia o que pensar, pois as ONGs críticas a Belo Monte não o ajudavam e a Eletronorte lhe deu um barco.

"A aldeia tá rachada, porque tem outro líder que é totalmente contra a usina. Lula está dividindo os índios."

A Eletronorte, por meio de sua assessoria, negou estar envolvida na cooptação de índios para o apoio a Belo Monte: "Não faz parte da política da Eletrobras/Eletronorte, no trato com comunidades indígenas, "dar presentes"... A empresa nega, categoricamente, quaisquer envolvimentos com grupos indígenas no sentido de aprovar ou reprovar questões afeitas a Belo Monte".

A Funai afirmou que "desconhece qualquer tipo de ação de cooptação em troca de apoio para a construção da usina. Bem como discorda desse tipo de atitude".

contact

Renata Soares: Pinheiro Movimento Xingu Vivo para Sempre http://www.xingu-vivo.blogspot.com/
(93) 3515-2406
(93) 9172-9776



check dodgy deals on record
Login

Good login. Redirecting to
'My Banktrack'.
Wrong login. Click here to request your password.
An email has been sent with your login!
Request password
This email is unknown.
<< Back
Search
Please provide one or more search terms

Join our mailinglist

Get all our latest news releases delivered straight to your inbox - or get our News Digest once a month

banktrack tweets
See who's financing IOI Corporation, & what they had to say about human rights violations, on our profile:… https://t.co/h0pjiRq2Gr
Sep 30, 2016
RT @sarwarsuman: What a shameless act. Protests for Sundarbans face police, BCL bar #StopRampal #Bangladesh https://t.co/1QQD0Ofkdk
Sep 30, 2016
contact
route
Vismarkt 15
6511 VJ Nijmegen
Netherlands


contact@banktrack.org
Contact us